Pular para o conteúdo principal

Moxabustão


A moxabustão é uma técnica terapêutica da Medicina Tradicional Chinesa. Baseia-se nos mesmos princípios e conhecimentos dos meridianos de energia utilizados na acupunctura, sendo amplamente utilizada em outros sistemas de Medicina Oriental tradicionais como: Japão, Coreia, Vietname, Tibete e Mongólia. Esta prática, pela documentação antiga existente, parece ser anterior á acupuntura.

Originou-se no norte da China, moxabustão – Jiú (pinyin) significa literalmente, “longo tempo de aplicação do fogo”, sendo considerada uma espécie de acupunctura térmica, feita pela combustão da erva Artemísia sinensis e Artemísia vulgaris. A cauterização, da qual deriva a moxa, foi um desenvolvimento que se seguiu ao uso do fogo. Considerou-se que o aquecimento e a sensação de bem-estar que o fogo propiciava á vida nas cavernas frias e húmidas, assim como as curas furtivas que ocasionalmente aconteciam do toque de um carvão acesso ou pedaço de lenha em brasa, foram os primórdios da cauterização.

A cauterização como método de curar doenças usava originalmente ramos e outros materiais combustíveis comuns. O uso de plantas como principal substância de combustão, data do último período Chou. O livro de Mencios (290 a.C.) refere-se a esta planta (artemísia) “para uma doença de sete anos, procure moxa (artemísia) de três anos de idade)”. Isto sugere que o seu uso já era difundido naquele tempo. Antigamente, praticava-se geralmente o método de cauterização directa, aplicando-se o material combustível directamente sobre a pele. As instruções são encontradas no tratado Tradicional de Zuo (581 a.C.) “acima ou abaixo dos vitais, a cauterização directa não pode ser usada”. Num outro livro “O livro dos segredos de Bian Que”, é mencionado fazer-se moxa para as pessoas dormirem. O clássico de Medicina da Dinastia Han Oriental “Discussão das doenças causadas pelo frio”, também refere as doenças para o qual a cauterização directa é permitida ou proibida.

Naquele tempo, o tamanho da mecha ou cone de moxa era grande e para cada tratamento um grande número de moxa era usado. Mais tarde, nas Dinastias Tang e Song, eram prescritos mais de 100 cones de moxa. Durante as Dinastias Jin e Tang, foi desenvolvido um método de cauterização indirecta, no clássico “Receitas dos mil ducados” vários métodos são discutidos, incluindo colocar a moxa sob um folhado de outros materiais, tais como alho, feijão-soja, cera de abelha, sal ou gengibre, e então queimá-la, no mesmo livro, é descrito um método para tratar doenças auriculares através do qual um tubo de bambu vazio é colocado no orelha e a moxa queimada na outra ponta. Este método era denominado de cauterização com tubo ou cilindro e foi o percursor da técnica moderna do “cilindro aquecido”.

Outro método, inventado na Dinastia Ming (1368-1332 d.C.) era utilizar um ramo de árvore de pêssego ou de amora, que era mergulhado em óleo de gergelim para ser acesso e apagado, então o bastão aquecido era embrulhado com papel macio e era passado como um ferro sobre determinada área da pele. Num desenvolvimento posterior, o pó de moxa seca triturada e outras ervas eram enroladas juntas em bastão com forma de charuto, para ser seguro em uma ponta e ser queimada na outra extremidade a uma pequena distância da pele. Este método ainda é bastante praticado actualmente. Na Dinastia Song (960-1279 d.C.) existem referências em livros médicos sobre cauterização natural ou espontânea, por meio do uso de ervas conhecidas pelas suas propriedades irritantes (ex: Rhus toxicodendron, emplastro de mostarda etc.), que eram friccionadas sobre a pele, produzindo lesão tipo bolha.

O efeito da moxa é semelhante á acupuntura, que age estimulando os pontos da acupunctura para fortalecer a circulação do ki (energia) e do sangue, sendo que a moxa estimula com o calor.

O calor da moxabustão é extremamente penetrante, tornando-se eficaz quando há menos circulação, condições frias e húmidas, além da deficiência do Yang. Quando aplicada aos pontos de acupunctura específicos com deficiências do Yang, o corpo absorve o calor recuperando mais rapidamente o ki (energia) do Yang do corpo e o “fogo ministrial” fonte de todo o calor e energia do corpo. As folhas frescas da planta Artemísia são colhidas na primavera e expostas ao sol para secarem, em seguida são trituradas, examinadas e filtradas para remoção de areia ou talos mais grosseiros, posteriormente, posto de novo ao sol, repetindo-se este processo até se obter a consistência desejada que é um pó fino, macio e claro.



A moxa a usar diretamente sobre a pele (método direto) deve ser extremamente fina, para que possa ser amassada e moldada com as mãos em minúsculos cones, firmes e que não se devem desfazer, para o uso indirecto (não encostar na pele) não é necessário ser tão fina, esta é enrolada fortemente em papel especial de cerca de 15 cm de comprimento, pode ser adicionado pó de outras plantas, formando-se então os bastões ou “charutos” que servirão uma vez acessos numa extremidade para aquecer os pontos ou áreas do corpo.

Uma técnica muito utilizada na China atual é a moxa acesa, que serve para aquecer áreas maiores do corpo e por tempo mais prolongado, a moxa é colocada num instrumento próprio tubelar ou outros formatos com fundo de rede, ficando a seção de combustão da moxa afastada da pele o calor é directamente transmitido a esta. A moxabustão como em todas as terapias que se utilizam instrumentos, dever-se-á ter alguns cuidados e precauções que qualquer profissional conhece perfeitamente, algumas dessas precauções são: não aplicar moxa em síndromes de calor com deficiência do Yin (ex: menopausa ou febre alta); não produzir cicatrizes com moxa; não usar moxa na região lombosacra em mulheres grávidas, e seguir sempre os princípios básicos de diagnóstico da MTC.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cursos Online de Terapias Holísticas

Os Cursos à distância (EAD) de Terapias Holísticas que ofereço tem como objetivo levar ao conhecimento do aluno como tratar o indivíduo como um todo, trazendo o reequilíbrio emocional, físico, mental e espiritual. 
A minha proposta de difundir tais conhecimentos começou em março de 2011 e desde então muitas pessoas se beneficiaram com este aprendizado. O primeiro curso lançado foi de Florais de Bach (em 2011), sendo que foi o primeiro também realizado em sala de videoconferência, em 2013, tendo grande sucesso. Os cursos ofertados por este site enquadram-se na categoria de CURSOS LIVRES e são legalizados, conforme Artigos 205 e 206 da Constituição Federal, Lei nº 9.394, Decreto Presidencial nº 5.154 e Normas da Resolução CNE nº 04/99 – MEC. O ensino livre a distância é a evolução do aprendizado. Através dele, proporciono a meus alunos uma formação de qualidade, adequada à realidade do mercado de trabalho, baseada em um formato totalmente inovador, com aulas em tempo real. Os Cursos são da…

Curso Online de Terapia Floral de Bach

CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA FLORAL DE BACH 1. Apresentação Denominam-se “Remédios Florais de Bach” a série de 38 infusões naturais extraídas de flores silvestres da região de Gales, Grã-Bretanha, cujas propriedades curativas foram descobertas pelo médico Edward Bach entre os anos de 1926 e 1934. Os florais atuam transformando estados mentais e emocionais negativos em positivos. De uma maneira simples e eficaz, podemos transformar sentimentos como o medo, ansiedade, estresse, solidão, dentre outros, em virtudes opostas, como coragem, segurança, paz, felicidade e assim por diante. A profissão de Terapeuta Floral é definida pelo Governo Brasileiro, de acordo com a Comissão Nacional de Classificação (CONCLA) como Serviços de Terapia Floral, Código nº 8690-9/01, Atividades de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde Humana.
2. Público Alvo Este curso é indicado para terapeutas, estudantes, profissionais da área da saúde que buscam uma nova área de trabalho em Terapia Floral ou para qual…

O poder dos óleos essenciais

1. O óleo essencial de lavanda é um calmante natural que tem potencial efeito regulador do sistema nervoso. Combate insegurança, carência afetiva e insônia e é superseguro para ser usado em crianças e bebês. Pingue 05 gotas deste óleo essencial em 20 mL de óleo vegetal de semente de uva e massageie o abdome dos pequenos para aliviar cólicas e nervosismo ou ainda pingue 02 gotas do óleo essencial na água do banho para o mesmo efeito.


2. Ylang-Ylang resulta num óleo de essência afrodisíaca, estimulante dos sentidos.
Seu aroma floral é muito agradável. Cria uma atmosfera de romance que enternece o coração e facilita a expressão da afetividade. Ajuda bastante em casos de choque, pânico e depressão pós-parto aliviando as constrições da alma e reconfortando as mágoas.
Para uma noite terapêutica, pingue 01 gota no travesseiro e 01 gota nos lençóis. Relaxe e aproveite!


3. O alecrim veio do mediterrâneo. Seu nome de origem latina, 'rosmarinus', significa "orvalho do mar", pois …